Primeiro, eu gostaria de deixar muito claro que gosto bastante do trabalho de Adílson Batista à frente do Cruzeiro e que concordo com o sistema de rodízio que ele implanta quando se trata das disputas simultâneas do Mineiro e da Libertadores.

Mas, sinceramente, não entendi e não concordei com a escalação de domingo, contra o Ipatinga. Escrevi aqui no blog sobre isso. A partir do momento que o Cruzeiro não teria de jogar no meio dessa semana, não havia motivos para ele poupar tantos jogadores.

Um ou dois atletas extremamente desgastados, ok. Mas com uma semana completa para descanso e treinamentos, o que custava aos atletas fazerem um esforço de jogar quinta, no Chile, e domingo, contra o Tigre, em BH?

Fico até pensando se houve menosprezo. Mas custo a acreditar, já que a qualidade do Ipatinga era conhecida por todos que acompanham o futebol mineiro. O próprio Cruzeiro, já havia perdido na fase de classificação para o Ipatinga, no Mineirão, por 3 x 0. Também com time misto, mas daquela vez uma escolha acertada.

Bom, o resultado foi visto dentro de campo. O time do Vale do Aço dominou as ações contra um Cruzeiro perdido em campo, desentrosado e repleto de jogadores fora de ritmo de jogo.

Agora, Adílson terá o descanso que ele desejava, cerca de 10 dias. O Cruzeiro só volta a jogar no meio da próxima semana, novamente pela Libertadores. E desta vez com o time completo, que, dessa forma, continua sendo um dos melhores do Brasil.

Volto a dizer que gosto do trabalho do técnico do Cruzeiro e acho o time celeste um dos favoritos à conquista da Libertadores. Porém, com a perda do Mineiro da maneira que aconteceu, a perda da competição latino-americana não terá explicação. E embora ache que Adílson deva permanecer no comando do time, em caso de derrota na Libertadores, ele vai balançar e muito no cargo.