América, Atlético e Cruzeiro passam por uma fase inacreditavelmente ruim na Série A do Campeonato Brasileiro de 2011. E, apesar de estarem unidos nessa má fase, obviamente os motivos que os levaram a ela são amplamente distintos.

Diria que o América é último colocado devido ao prematuro acesso à primeira divisão. O clube ainda não estava preparado para disputar a competição neste ano. Exatamente por isso, o Coelho deve ser, dos três clubes, o menos preocupado. Voltará (com certeza) à segunda divisão, mas em 2013 estará muito mais preparado para jogar novamente a Série A. Já penso em 2013 porque enxergo com muita clareza uma campanha vitoriosa do América na Série B em 2012. Economicamente e administrativamente o clube estará fortalecido. O que é uma pena é o clube não disputar a Série A no ano do seu centenário (2012). Mas isso pode ser bom, pois evita que a Diretoria faça gastos que o clube não possa suportar. A males que vêm para o bem.

Já Atlético e Cruzeiro têm muito com o que se preocupar. Para ambos cair seria uma tragédia: perderiam o bonde da Copa de 2014. Este é um momento ‘imperdível’!

O Galo caminha para voltar à Série B. É muito pouco tempo desde a queda de 2005. O Atlético não será mais o mesmo depois de uma segunda queda tão rápida. Sua condição de grande no cenário do futebol brasileiro corre sérios riscos de alteração.

Apesar de apresentar um futebol razoável, melhor do que o de vários concorrentes, o clube não consegue vencer. Isso se deve, em boa parte, à ansiedade de jogadores, torcida e Diretoria. E quanto mais o campeonato avança e os resultados não aparecem o nervosismo aumenta. Com isso, o ‘buraco’ fica cada vez maior e as dificuldades aumentam. O único alento para os atleticanos é que o futebol apresentado pelo time sob o comando de Cuca realmente evoluiu. O esquema está mais claro para todos e a equipe titular também. A única posição que está devendo e muito, a de centroavante, curiosamente é aquela em que houve mais investimentos; André e Guilherme não acertam. Se Cuca achar uma solução para essa posição, as chances atleticanas são boas.

A Raposa está em uma situação delicadíssima, principalmente porque o clube não está acostumado a lidar com a situação na zona do rebaixamento. Vele lembrar que é um dos cinco clubes da Séria A que nunca caiu (Inter, São Paulo, Santos e Flamengo).

Os torcedores fazem muita pressão e, para completar, o Cruzeiro ainda precisa conviver com a mudança de comando na Presidência durante esse momento. Isso porque ainda não falei de dentro do campo, que vai muito mal. O time do primeiro semestre não existe mais. Jogadores como Tiago Ribeiro (vendido) e Wallyson (machucado), que foram fundamentais na Libertadores, não jogam mais. Gilberto, depois de muita confusão, teve contrato rescindido. Roger não joga a metade do que pode e vários jogadores estão no DM. Vágner Mancini chegou agora e já é o quarto técnico a comandar o time nesta campanha. Por tudo isso, o jogo contra o São Paulo, nesta quart-feira (5), é importantíssimo. Caso não vença os paulistas, não vejo muitas possibilidades de recuperação do Cruzeiro. Talvez o jogo contra o São Paulo seja a última cartada que o Cruzeiro possa dar em 2011.

Faltam 11 rodadas. O América é 20º, com 20 pontos. O Atlético é o 18º, com 26. E o Cruzeiro é 16º, com 29. A briga para sair do Z4 será grande. E a chance de Atlético X Cruzeiro, na última rodada, ser um jogo decisivo nessa briga é enorme.

Boa sorte a todos os mineiros.

Anúncios

Primeiro, eu gostaria de deixar muito claro que gosto bastante do trabalho de Adílson Batista à frente do Cruzeiro e que concordo com o sistema de rodízio que ele implanta quando se trata das disputas simultâneas do Mineiro e da Libertadores.

Mas, sinceramente, não entendi e não concordei com a escalação de domingo, contra o Ipatinga. Escrevi aqui no blog sobre isso. A partir do momento que o Cruzeiro não teria de jogar no meio dessa semana, não havia motivos para ele poupar tantos jogadores.

Um ou dois atletas extremamente desgastados, ok. Mas com uma semana completa para descanso e treinamentos, o que custava aos atletas fazerem um esforço de jogar quinta, no Chile, e domingo, contra o Tigre, em BH?

Fico até pensando se houve menosprezo. Mas custo a acreditar, já que a qualidade do Ipatinga era conhecida por todos que acompanham o futebol mineiro. O próprio Cruzeiro, já havia perdido na fase de classificação para o Ipatinga, no Mineirão, por 3 x 0. Também com time misto, mas daquela vez uma escolha acertada.

Bom, o resultado foi visto dentro de campo. O time do Vale do Aço dominou as ações contra um Cruzeiro perdido em campo, desentrosado e repleto de jogadores fora de ritmo de jogo.

Agora, Adílson terá o descanso que ele desejava, cerca de 10 dias. O Cruzeiro só volta a jogar no meio da próxima semana, novamente pela Libertadores. E desta vez com o time completo, que, dessa forma, continua sendo um dos melhores do Brasil.

Volto a dizer que gosto do trabalho do técnico do Cruzeiro e acho o time celeste um dos favoritos à conquista da Libertadores. Porém, com a perda do Mineiro da maneira que aconteceu, a perda da competição latino-americana não terá explicação. E embora ache que Adílson deva permanecer no comando do time, em caso de derrota na Libertadores, ele vai balançar e muito no cargo.

Foi inacreditável a quantidade de erros capitais cometidos pelo trio de arbitragem da partida entre Cruzeiro e Ipatinga, pelas semifinais do Campeonato Mineiro.

Só no primeiro tempo, houve dois pênaltis não marcados a favor do Ipatinga. O primeiro foi difícil, mas a colocação de Ricardo Marques Ribeiro era tão boa, que fica difícil de entender porque ele marcou fora da área. O segundo foi claríssimo e o árbitro ainda deveria ter expulsado o goleiro Fábio.

Ainda na primeira etapa, um gol legal do atacante Alessandro foi anulado pelo auxiliar número dois, Marcelo Francisco dos Reis. No segundo tempo, outro impedimento, do mesmo Alessandro foi marcado equivocadamente. Mas dessa vez quem errou foi o outro auxiliar, Márcio Eustáquio Santiago.

Quando penso que Ricardo Marques Ribeiro pertence ao quadro da Fifa e que, teoricamente, é o melhor do estado, chego à conclusão de que não podemos ter árbitros de Minas Gerais apitando a final entre Atlético e Ipatinga.

Vou mais além. A repercussão dos erros do jogo deste domingo será nacional. Alexandre Kalil, presidente do Atlético, já soltou o verbo no Twitter. Qualquer árbitro do país que vá a Minas Gerais para a final estará pressionado demais.

Sou a favor de trazer um trio de fora do país e sugiro o colombiano Oscar Ruiz para essa tarefa. Mas outros nomes da Argentina ou do Uruguai seriam igualmente bem vindos.

A situação é preocupante e o Campeonato Mineiro de 2010 já está marcado, para sempre, pelo péssimo nível da arbitragem. A comissão de arbitragem da Federação deve algumas explicações não apenas pelo jogo de domingo, mas também pela série de denúncias e de escândalos envolvendo seus membros.

Tem dirigente até falando em dinheiro… eu prefiro acreditar em deficiência técnica mesmo. Embora, às vezes, seja difícil.

Sou partidário de que se unam esforços e de que as vaidades sejam deixadas de lado. Tudo que se possa fazer para que, pelo menos, a final do estadual não fique manchada por erros de árbitros, deve ser feito.

Espero que o Campeonato Mineiro possa ser decidido exclusivamente pelos jogadores e técnicos dentro de campo. Afinal, Atlético e Ipatinga foram merecedores das vagas nessa decisão.

Em tempo: o Ipatinga ainda venceu o Cruzeiro por 3 x 1.

Em Minas Gerais a tendência é termos novamente a decisão do título entre Atlético e Cruzeiro. Os dois grandes da capital jogam por empates contra Democrata e Ipatinga, respectivamente, para passarem à final.

O Atlético vem de uma partida interessante no meio de semana, em que o ataque, que vinha bem, falhou muito, e o sistema defensivo, que vinha titubeante, foi quase perfeito. O resultado foi bom, 1 x 0 diante do Sport.

Para a partida contra o Democrata, Luxemburgo deve vir com algumas novidades. As únicas certezas são: Fabiano, suspenso, não joga, e Renan Oliveira está escalado no meio campo. É esperado que o técnico poupe alguns jogadores que vêm atuando com mais freqüência, caso, por exemplo, do veterano Júnior.

Já do lado cruzeirense, é difícil imaginar o que Adílson fará. O time vem desgastado pela empate no Chile, contra o Colo-Colo, que selou a classificação celeste para a próxima fase da Libertadores, mas em compensação não jogará no próximo meio de semana.

Acredito que o técnico do Cruzeiro deva mandar a campo o que tem de melhor, exceção feita a Kléber, que está contundido, pois o jogo contra o Ipatinga é complicado. A equipe do Vale do Aço é a melhor do interior de Minas e vem fazendo grandes jogos no Mineirão. Se o Cruzeiro vacilar, pode perder a vaga.

Democrata X Atlético será neste sábado, às 18h30, no Mineirão. Já Cruzeiro X Ipatinga jogam no domingo, às 16h, também no Mineirão.

Não fosse a goleada do Vitória pra cima do Goiás e a classificação do Cruzeiro para a próxima fase da Copa Libertadores, o futebol teria sido totalmente esquecido por causa de toda a confusão envolvendo Manoel e Danilo no jogo entre Palmeiras e Atlético-PR.

Lamentável, é tudo que dá pra dizer. O zagueiro atleticano, Manoel, acusa o palmeirense Danilo de ter-lhe dado uma cusparada e de tê-lo chamado de “macaco”. O atleticano também deu uma cabeçada no rival e para encerrar em grande estilo, pisou em Danilo, propositalmente.

Resultado: o caso foi parar na delegacia. Após o final do jogo, Manoel foi até a 23ª Delegacia de São Paulo e prestou queixa contra Danilo. O jogador palmeirense foi enquadrado no artigo 140, parágrafo 3º, do Código Penal – “Injúria qualificada por racismo”.

Já ia me esquecendo. O Palmeiras venceu por 1 x 0. O resultado é bom e nada mais. Não sofreu gol em casa. É bom também para o Atlético, pois perdeu por um único gol de diferença. No final, pior para os paranaenses que não terão Paulo Baier (expulso) no jogo da volta.

Mas ainda bem que a noite de quinta teve também o futebol no centro das atenções.

O Vitória sapecou 4 x 0 no Goiás e praticamente garantiu a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil. Os goianos vão precisar vencer por cinco gols de diferença para avançar à próxima fase. Ramon, Junior, Bida e Schwenck marcaram os gols, todos na etapa final, da surpreendente goleada do Vitória.

Pela Libertadores o Cruzeiro conseguiu o resultado que precisava. Foi ao Chile e trouxe um empate por 1 x 1 e a vaga nas oitavas de final do torneio. Os cruzeirenses chegaram aos 11 pontos e garantiram a passagem como um dos seis melhores segundos colocados. Tiago Ribeiro fez o gol do Cruzeiro, que aguarda o fim da primeira fase para conhecer seu próximo adversário.

Os resultados desta semana podem garantir os brasileiros na próxima fase da Copa Libertadores. Quatro dos cinco times do país entram em campo, todos terão confrontos fora de casa. O Cruzeiro encerra sua participação nessa primeira fase. Já Flamengo, Corinthians e Internacional fazem o penúltimo jogo. Apenas o São Paulo não joga nessa semana.

De acordo com os matemáticos, 11 pontos garantiriam a passagem para a fase eliminatória da competição. Porém, mesmo com 10, as chances são boas. Portanto, é de acordo com esses números que digo que essa rodada é decisiva para os brasileiros, pois todos podem atingir essa pontuação nessa semana.

Com oito pontos, o Inter não pode pensar em outro resultado, além da vitória, contra o Emelec, no Equador, na quarta-feira, às 19h30. Não exatamente pela necessidade da vitória, mas porque os equatorianos ainda não conquistaram sequer um ponto na competição. A provável vitória do Inter deixaria os brasileiros em situação tranqüila: com 11 pontos, a liderança e ainda um jogo a fazer, em casa.

O Corinthians vem em ótimo momento. É líder com 10 pontos, e ainda tem dois jogos a fazer. Nesta quarta, encara o Racing de Montevidéu, fora, às 21h50. Mesmo que não vença, as chances de classificação são imensas. Como já disse com mais um empate já garantiria a equipe paulista. Uma vitória então, nem se fala. É a situação mais tranquila entre os brasileiros.

Os flamenguistas precisam ficar atentos. Em segundo no grupo, com 7 pontos, jogam fora de casa, contra a Universidade Católica, na quarta, às 21h50. Um empate já deixa o Flamengo em boa situação, mas se perder terá de vencer na última rodada o Caracas, no Maracanã, e ainda fazer algumas contas. É melhor depender só de si e buscar, um empate ou uma vitória já nesta rodada.

Na quinta-feira, o Cruzeiro será o último brasileiro em campo na semana, pela Libertadores. O adversário é o Colo-Colo, no Chile, na última rodada do grupo. Jogo complicado, pois os mineiros estão na primeira posição do grupo, mas podem cair para a 3ª ao final da rodada. O empate garante o Cruzeiro na como um dos melhores segundos lugares. A vitória deixa os cruzeirenses classificados em primeiro. Já a derrota fará com que eles dependam de outros resultados. Se perderem por 4 x 0 ou mais gols de diferença, o que é muito difícil, ficam em terceiro e estarão eliminados.

Resumindo: A expectativa é grande, pois é agora começa a decisão da Libertadores.

A final da Superliga Feminina de Vôlei já está definida e será disputada no próximo domingo. Enquanto isso, a Masculina terá a definição dos últimos dois semifinalistas nesta terça. A Superliga de Vôlei vai chegando ao final de mais uma grande edição, a 16ª da história.

18 finais e 9 títulos em quadra

Quando a partida final terminar, os números acima passarão para 20 e 10, respectivamente.

Osasco e Rio de Janeiro decidem mais uma vez a Superliga Feminina. A hegemonia das duas equipes no torneio é inquestionável. Osasco vai para a sua 11ª final e o Rio de Janeiro para a 9ª. E juntos, os times já têm nove títulos: três do Osasco e seis do Rio.

Esse será também a sexta decisão consecutiva entre as equipes. E nesse quesito, a superioridade do Rio de Janeiro é grande. A equipe comandada por Bernardinho venceu quatro dessas finais e perdeu apenas uma.

A final desse ano será disputada em jogo único, no domingo (18), no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Favorito? Eu não me arrisco.

Cruzeiro e Pinheiros esperam adversários

Já garantidos nas semifinais do torneio masculino, o Cruzeiro (2º) e o Pinheiros (5º) assistem de camarote, nesta terça, a definição dos outros dois semifinalistas.

O terceiro e decisivo jogo do confronto entre Montes Claros (3º) e Brasil Vôlei (6º) será, às 18h30, no interior mineiro. O vencedor encara o Cruzeiro nas semifinais. Já a decisão entre Florianópolis (1º) e Caxias (8º) será na capital catarinense, às 20h30.

O nível da Superliga Masculina nesta temporada foi espetacular. Praticamente todos os jogadores da Seleção Brasileira estão na disputa e o equilíbrio foi a tônica da competição.

Certeza é só uma: grandes jogos não vão até o final na competição.